há mendoins&bejecas

chewing brain

quarta-feira, março 28, 2007

A droga maravilha!


E se realmente comer é um vício? No nosso cérebro existem mecanismos de recompensa responsáveis pela sensação de prazer, alívio de estados de ansiedade e de stress. Também explicam a adicção a drogas, que vão actuar sobre esses mecanismos.
O sistema dos endocanabinóides é um desses mecanismos cerebrais. Ora este mesmo sistema está envolvido no prazer adquirido ao comer. É um prazer essencial à nossa sobrevivência (ou não?)se não, nada nos motivava para procurar comida. Seu grande envolvimento na regulação do apetite já está muito bem estudada em trabalhos experimentais utilizando modelos animais. Quando se estimula este sistema em ratinhos eles ficam tão esfomeados que continuam a comer mesmo depois de saciados. E sabemos muito bem que depois de fumar um "canhão" fica-se com uma fomeca, tudo porque a cannabis sativa tem um componente que vai estimular o sistema dos endocanabinóides.
Compostos para modulação deste sistema com o fim de reduzir o apetite já estão a ser amplamente explorados por indústrias farmacêutica e muito em breve será comercializado o rimonabant, que bloqueia esse sistema diminuindo o apetite. Será que é desta que se descobriu a fórmula mágica para a obesidade? Ou o problema ainda é mais complexo?

domingo, novembro 26, 2006

O que são compostos bioactivos?



Agora o que está a dar são os compostos biactivos encontrados nos alimentos. Estes compostos, muitas vezes ainda por identificar, encontram-se nos alimentos em quantidades muito pequenas, em quantidades ainda menores do que as vitaminas e minerais. Aliás, vou considerá-los um grupo novo de micronutrientes. Um exemplo desse tipo de compostos são os polifenóis, como o resveratrol já falado anteriormente.
Após a descoberta do composto no alimento, tenta-se retirá-lo do alimento e testá-lo isoladamente. Após desvendado o seu belíssimo efeito sobre o nosso organismo, os media
tendem a sobrevalorizar os alimentos que contêm o composto em questão, que nem sempre são a melhor fonte para obter os benefícios do composto.
  • Complexidade do alimento: o alimento não veícula só o composto em questão, mas muitos outros que podem ser prejudiciais.
  • Densidade energética: muitas vezes o alimento fonte do composto tem um valor calórico muito elevado, o que para obtermos os benefícios do compostos teríamos que ingerir uma quantidade energética que poderia ultrapassar o recomendado diariamente
  • Contexto do composto: é como uma história. O seu efeito quando consumido isoladamente (como em cápsulas) não será o mesmo, podendo até ser prejudicial. Por vezes, o composto para ter o efeito benéfico tem que ser ingerido junto com os outros macro- e micro-nutrimentos do alimento.

Por estas razões e outras, há que ter o cuidado em interpretar as notícias que referem os benefícios espectaculares de determinado alimento devido a um composto. Não se esqueçam que o segredo de uma alimentação saudável é variar ao máximo! Assim podemos ter um bocadinho de tudo o que é bom e de tudo o que é mau, e não um bocadão de tudo o que é bom e de tudo o que é mau! Já Paracelsus dizia: "All things are poison and nothing is without poison. Solely the dose determines that a thing is not a poison.".

sexta-feira, novembro 03, 2006

O vinho...divino! Será uma boa ajuda para a saúde dos gordinhos?


Um grupo de cientistas testou a melhoria da saúde de ratos obesos quando estes ingeriam na dieta um suplemento de RESVERATROL. Ou seja, este composto diminui a prevalência das doenças que estão associadas à obesidade, como a diabetes e as doenças cardiovasculares. No entanto, os ratinhos não perderam peso, continuaram gordos. Mas gordos mais saudáveis. Este composto, a que deram o nome de resveratrol, encontra-se em quantidades mínimas no vinho - apenas 0,3% da dose que deram aos ratinhos. Por isso não acreditem que bebendo vinho e comendo em abundância que escapam às co-morbilidades associadas à obesidade! Teríamos que apanhar uma grande piela de vinho tinto!! Provavelmente entravamos em coma alcoólico antes de termos algum efeito benéfico vindo do resveratrol! Há a possibilidade de extrair o resveratrol do vinho e torná-lo num suplemento. Mas precisamos de mais estudos para testar a segurança do resveratrol no Homem. Peço comentários também em relação à experimentação animal!

segunda-feira, agosto 28, 2006

A desilusão do fim de semana

Mais um fim de semana de férias. Desta vez, fruto da minha influência sobre a minha família, fomos experimentar o novo restaurante vegetariano, anunciado num jornal local. A minha expectativa era elevada. Prometia. Esperava ficar surpreendida, mas acima de tudo que surpreendese a minha família, que para "monda", como lhe chamam, não estão muito para aí virados.
Chegamos ao "restaurante" e vejo 3 mesas de plástico ao ar livre, dispostas de uma forma pouco harmoniosa, e já estavam cheias. Com muito sucesso, estava lotado! Vejo duas pessoas a servir à mesa, uma delas aproximou-se e perguntou quantas pessoas eramos, acrescentando que já não havia lugar, teríamos que esperar, se quissesemos claro! Fiasco, o habitual que já se viu de restaurante vegetariano aqui. Uma coisa pequena, familiar, que faz afastar todo o carnívoro à face da terra, incluindo eu que sou uma "herbívora-peixo-pouca carne".

sexta-feira, agosto 11, 2006

Snack snack snack!


Curiosos pelos novos snacks!? Para além de prometerem ser uma escolha mais saudável, não deixam de ser um snack que deve ser consumido com moderação. Estes novos snacks apenas têm menos gordura (ácido oleico, ou seja, azeite) que as batatas fritas de pacote, no entanto têm mais sal. Assemelham-se mais a bolachas. É preferível o seu consumo em vez dos aperitivos com cores suspeitas e fritos em óleo de baixa qualidade.
O papel dos aperitivos numa alimentação saudável é o de trincar, entreter a boca, e não para encher o bandulho! Todos eles, desde os amendoins, caju e outros frutos secos e as batatas fritas de pacote podem ser consumidos de uma forma moderada. E como sei que estou a consumi-los moderadamente?! Tenha um pequeno recepiente em casa com uma dose mensal de aperitivos (aproximadamente uma chávena almoçadeira de 250ml). Assim pode ir petiscando à vontade ao longo do mês. Se prefere petiscar fora de casa, nos cafés enquanto está com os amigos, decida consumir 2 a 3 vezes por mês. Por fim, aconselho que prefira os snacks que a natureza nos dá, que são os frutos secos, pois estes são mais ricos nutricionalmente - são como suplementos de vitaminas, minerais e boa gordura. Deste modo ao mesmo tempo que trinca está também a alimentar o seu corpo e ele agradece-lhe, dando-lhe vitalidade, bem estar e predisposição para uma vida activa!

domingo, maio 21, 2006

Obesidade - a inactividade da sociedade


O aumento da obesidade parece que reflecte o aumento da industrialização da alimentação. Quanto mais artificial é a comida, mais saborosa fica, mais se come e mais mal faz. Perante uma grande variedade de alimentos perversos, aqueles que têm predisposição genética para engordar são mais susceptíveis. Para mim, a obesidade é uma doença do comportamento alimentar, tal como a anorexia, a bulimia, o binge eating, a ortorexia e tudo o mais que ainda não tem nome nem registo na literatura. O que interessa é que em todas estas perturbações a comida passa a ser o mais importante da vida, passando as outras coisas como a amizade, profissão, hobbies, para segundos planos. Ou seja, impede o doente de ter uma vida normal.
O obeso não consegue controlar o que ingere (e pensando bem , a anoréctica também não, porque não consegue comer mais do que aquilo que lhe impõe a si mesma), e muitas vezes, não sabe escolher o que deve comer, e por isso, come tudo para não ficar com dúvidas. O nutricionista deve ter o papel de orientar as escolhas do doente obeso. Mas só o nutricionista não é o suficiente. Para mudar o comportamento de uma pessoa obesa há que recorrer a psicoterapia. Tem que se dar motivação para ocorrer uma mudança de comportamento no sentido de uma alimentação saudável e eliminar os factores emocionais que podem desencadear uma ingestão excessiva e descontrolada de alimentos.
Agora o estado vai comparticipar a totalidade da banda gástrica para quem precisar. Muito bem, é bom sinal. Mas e onde está o dinheiro para a prevenção? Se apostasse na prevenção iria gastar menos dinheiro nas cirurgias de colocação da banda gástrica, nas cirurgias plásticas, e no tratamento das comorbilidades associadas à obesidade! E como podemos prevenir? Preparando a humanidade para as mudanças alimentares na sociedade e, porque não, orientar a indústria alimentar na criação de produtos alimentares mais adaptados ao Homem, substituindo progressivamente os alimentos artificiais por alimentos mais naturais e saudáveis e ao mesmo tempo inovadores e atraentes. Parece simples...
Espero por comentários, não se inibem, se não fico desmotivada...

quinta-feira, abril 20, 2006

Sugestão de leitura


Estou a ler um livro que relata a história de uma rapariga que é gorda. Pelo que já li, a vida dela gira em torno da comida e da sua aparência. Descreve também os seus relacionamentos familiares e amigáveis e como estes relacionamentos são influenciados pelo seu grande peso e como influenciam a sua relação com a comida. É um livro que nos faz pensar sobre as causas que podem estar por detrás de uma desordem alimentar.
Actualmente devemos dar maior atenção às doenças do comportamento alimentar, pois parece-me que esses casos aparecem cada vez mais e com maiores variações, sendo difícil o seu diagnóstico, e também, o tratamento, que deve ser dirigido ao indivíduo e não ao padrão da doença descrito na literatura.
Kises kises e bom regresso às aulas! Eu cá ainda tou na Terceira, pasmaceira!